[um ano sem televisão] maio

Maio foi o mês mais bem sucedido nesta tarefa até agora. Mudar hábitos, é – como sabemos – difícil, mas aos poucos a coisa parece estar a acontecer mesmo.

relax

Há uns dias estava a pensar sobre este desafio e ocorreu-me: o hábito ou vício estava tão entranhado que demorei quase meio ano a conseguir começar mesmo a não ver séries de TV e a não correr para o youtube de todas as vezes que estou um pouco aborrecida ou deprimida. Já passou quase meio ano desde o início deste desafio!

Este mês continuei a não conseguir estar nenhuma semana completamente sem TV no pc, mas cada vez mais esta é uma atividade super concentrada no tempo e com objetivos mais claros (e.g. episódio de Game of Thrones e TED talks ou os vídeos do Epipheo que partilho no fim deste post).

Ou seja, parece-me que estou lentamente a deixar de usar os conteúdos audiovisuais como a minha principal fonte de entretenimento, ao mesmo tempo que uma série de outras coisas se vai – um pouco como eu esperava que fosse acontecer – resolvendo a si mesma.

Assim, sinto várias mudanças que este mês se tornaram mais evidentes:

high-productivity

1. estou muitíssimo mais produtiva.

Consigo acompanhar muito melhor os meus alunos e responder-lhes aos emails de forma muito mais rápida e eficaz. Tenho também usado muito menos o facebook e outros distratores, ao mesmo tempo que vou fazendo tarefas que mesmo que sejam coisas menos importantes, sempre vão ficando feitas nos momentos em que estou em horário de trabalho e não me estou a conseguir concentrar. Depois de ouvir os audiobooks do Leo Babauta “Zen to done” e “The power of less”, comecei a utilizar o método “Most important tasks” que ele sugere (todos os dias ter entre 1 a 3 “MIT – most important tasks” que são aquilo que *tem de* ser feito nesse dia. Tem resultado lindamente, e estou em paz com o facto de por vezes apenas colocar uma MIT na minha lista, porque essa é feita de certeza e não tenho ficado com aquela sensação estranha que às vezes me acontecia de ter trabalhado imenso num dia e não ter “feito” nada).

WForum13.306w

2. consigo mais clara e facilmente sair do “modo trabalho” e passar ao “modo chill out”

Vejo isto inclusivamente na minha seleção de livros no audible, que inclui bastantes palestras dos “great courses”, porque, claro o meu superego não me deixa gastar dinheiro sem me chatear se eu não aproveitar para aprender qualquer coisa ou se a coisa não me for objetivamente útil. Recentemente tenho comprado mais audiobooks que são de entretenimento (estou a ler, entre outras coisas “We learn nothing” de Tim Kreider). É-me também mais fácil relaxar e consigo de facto descansar, mesmo quando estou muito stressada.

Young woman laying on the bed in the sunshine

Young woman laying on the bed in the sunshine

3. o meu espaço está muito mais organizado e simplificado e eu estou mais consciente das coisas à minha volta

Isto tem vindo a acontecer de forma mais ou menos contínua à medida que vou deixando o hábito de ver vídeos no pc, mas também como consequência de ter vários livros sobre minimalismo, que vou ouvindo nas mais diversas ocasiões. Esta “organização” ajuda-me a estar mais calma e a conseguir por um lado descansar melhor e por outro lado, gostar mais da minha casa (é mais importante do que eu imaginava!)

Captura de ecrã 2015-05-31, às 12.33.52

4. tenho sido mais consistente nas coisas a que me dedico.

Os projetos que vão surgindo parecem estar mais auto-sustentados e requerem menos esforço, mas também menos aprovação para que eu os continue. E aos poucos têm surgido ideias simples e (para mim, pelo menos) boas, que faço com gosto. Tenho mantido a minha página “de artista” no facebook atualizada, sem a inundar com coisas.

tumblr_m05vzkdmER1qdfyg7o1_1280

O que vem a seguir?

As expectativas para junho estão elevadíssimas, com o concluir do ano letivo e as revisões que ando a fazer à tese. Decidi que vou acabar a tese antes de publicar/concluir o livro para me poder dedicar melhor a ambas as tarefas e estou satisfeita com essa decisão, sobretudo, nesta fase de revisões.

Acho que a seguir virá uma fase de menor necessidade de conteúdos audiovisuais mesmo para me inspirar e acho que o que vai acontecer é que vou voltar a ouvir mais música (tem estado relegada para segundo plano há algum tempo!).

Tenho também estado a com alguma calma e nos tempos livres, tenho conseguido fazer chegar as fotos que tiro às pessoas que constam das mesmas – é algo que nem sempre fazemos e devíamos fazer mais! Em agosto pretendo imprimir um album com as minhas fotos preferidas (não é o que os minimalistas sugerem, mas eu quero lá saber). Estou também com a expectativa de voltar a correr.

the-future-of-learning

Referências deste mês

Zen Productivity

Top 10 Productivity Hacks – Overview

The Top 50 Productivity Blogs (most of which you haven’t heard about)

5603681683_845729d4b2_b

2 pensamentos sobre “[um ano sem televisão] maio

  1. Pingback: [Um ano sem televisão] um resumo | Helena G. Martins

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s