Desafio de 30 dias: um mês de tunnel time

No ano passado desafiei-me a durante 30 dias trabalhar concentradamente 2 horas por dia na área da investigação. O desafio não foi especialmente bem sucedido embora me tenha ensinado muita coisa. Em novembro vou desafiar-me a pôr em prática de forma sistemática esta ideia, aproveitando o que aprendi no ano passado e mais algumas ideias que fui recolhendo pelo caminho.

Em agosto/setembro do ano passado, propus-me a passar um período de tempo por dia sem acesso a distratores com foco numa tarefa muito importante e não urgente, o tipo de coisas que acabam por mais diferença fazer a longo prazo – e que no meu caso é a investigação científica.

Foi uma experiência cheia de frustração e não considerei que tivesse sido bem sucedida no cômputo geral, não obstante ter aprendido muito.

As principais reflexões que fiz em termos do fracasso do desafio foram:

  • A necessidade de um período de “aquecimento mental” antes de começar a trabalhar, tipicamente de cerca de meia hora
  • sentir que estar focada num trabalho científico não era compatível com outras tarefas tipo responder a emails por ser demasiado absorvente e extenuante
  • Sensação de extenuação intelectual logo no final da primeira semana

As estratégias que funcionaram bem foram:

  • não desanimar só porque não vou poder terminar uma tarefa: tarefas incompletas são também úteis, na medida em que podem depois ser completadas
  • alternar entre tipos de tarefa intelectual (conceptual e metodológica, por exemplo) – à semelhança daquilo que se faz no exercício físico, ir treinando “músculos” diferentes ajudou a não ficar com “lesões”
  • Insistir na prática: ao final de algum tempo estamos habituados e passa a ser natural fazer o exercício

O que eu acho que estou a fazer de forma diferente e que poderá funcionar a meu favor desta vez:

  • ter integrado a prática de exercício físico no meu quotidiano
  • ter uma noção clara dos meus objetivos e tarefas a cumprir (para alguma coisa serviu o estudo intensivo do GTD!)
  • Ter o tempo mais contado (o tempo que passo em casa não dá para trabalhar que o João não deixa) paradoxalmente acredito que funcionará a meu favor.
  • a transição do fazer para o ser, resulta numa lógica de esforço para uma lógica de expressão pessoal, do sacríficio para o prazer em fazer: as coisas deixam de cansar e passam a ser energizantes.
  • menor exigência comigo mesma – é importante temperar as expectativas e criar ideias realistas acerca daquilo que conseguimos fazer!

Até lá – e como em todos os desafios difíceis, vou fazendo uma tentativa menos rígida de implementar o hábito antes de começar o mês.

Se tiverem alguma estratégia para se manterem focados no trabalho, façam o favor de partilhar! 🙂

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s