Natal o ano inteiro

Há uns anos atrás, muito antes da pandemia, tive de ir de comboio para casa na véspera de Natal. O comboio ia cheio. O revisor, provavelmente cansado e um pouco aborrecido com o turno que lhe calhara nesse ano, estava com pouca paciência. Ao verificar os bilhetes na nossa carruagem, um senhor chinês não estava sentado no sítio certo.

“O seu bilhete não é neste lugar” disse o revisor agastado. O passageiro abriu muito os olhos e disse no seu idioma qualquer coisa apontando para o bilhete e para o comboio, provavelmente salientando que tinha comprado bilhete para aquele comboio.

“O seu bilhete não é para este lugar, é noutra carruagem” – repetiu o revisor, mais devagar, mais alto e mais zangado. O passageiro arregalou os olhos e repetiu qualquer coisa em chinês, apontando para o bilhete e a carruagem.

“Meu amigo, já lhe disse: este lugar não é o seu.” – quase gritou o revisor, que começava a perder as estribeiras.

Quis ajudar e tentei falar em inglês com o passageiro. Não compreendeu. Virei-me para o revisor e disse com o ar mais amigável possível:

– Senhor revisor, acho que este senhor não o está a perceber.

– É? E o que é que acontece se vier alguém para aquele lugar?

– Não há problema, eu troco com esse passageiro. – respondi sorrindo

– Mas olhe que o lugar dele é noutra carruagem e é longe!

– Não faz mal, eu não me importo.

– Mas ele tem de aprender!

E neste momento, eu percebi: o problema não era o lugar do passageiro. E como o meu domínio do chinês (ou seja, “xié xié” e “Xiaomi”) não chegaria para explicar ao passageiro o que o revisor queria, estávamos num impasse sem grande solução à vista.

E foi nesse momento que me ocorreu o melhor argumento, o mais inabalável de todos. Ia jogar o ás de trunfo dos argumentos, superior à lógica, superior à zanga, mas será que ia resultar?

“Mas senhor revisor, é Natal…” arrisquei com voz quase sumida.

O revisor parou, mudou de expressão e concedeu sem mais demoras:

– Mas se vier alguém, a senhora muda de sítio.” e foi-se embora.

Como acontece neste tipo de situações, toda a carruagem que tinha ficado tensa, de ouvido apurado e em suspenso, suspirou de alívio. O Natal salvou a situação.

Quem nunca assistiu a um episódio deste tipo? Alguém que se vai zangar, que vai virar costas, que vai fechar uma porta (física ou metafórica) e que perante o supremo argumento “mas é Natal”, retrocede, espera um pouco, perdoa. Familiares zangados que não deixam de enviar uma mensagem ou telefonar no dia de Natal, porque afinal, é Natal. Amigos que raramente se falam aproveitam para pôr a conversa em dia, pessoas nas filas que deixam passar pais com crianças inquietas à sua frente, pequenas bondades que se fazem porque, caramba, é Natal.

O Natal é mágico. Por todos os motivos, luzes e presentes, mas sobretudo por isto. Porque é por excelência a época de paz, de perdão e de amor. Porque é uma época de gentileza e de compaixão.

Ontem agradeci a um desconhecido deixar-me entrar à sua frente num elevador porque ia com o meu filho de 2 anos que não estava a conter o entusiasmo de poder andar num elevador panorâmico; a sua reposta não foi “de nada”, foi “Feliz Natal”. Não foi um favor que ele nos fez, foi um presente que nos deu, não é tão bonito?

Sempre ouvi dizer que Natal é quando uma pessoa quiser. Por mim era Natal o ano inteiro, vocês também querem?

Publicado por helenagmartins

People are my favorite "thing". I'm a creative and dynamic teacher and researcher in the area of People at Work. I love the arts and I practice plenty of them.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: