[Técnicas de Negociação] O estranho caso do assalto em que os assaltantes armados saem sem nada, pela janela

Em julho de 2022 houve um caso bastante divulgado pela comunicação social: 5 homens encapuzados, alguns armados, entram numa vivenda em Cascais para assaltar a mesma, estando uma mulher e seis menores em casa.

O assalto termina com os assaltantes a fugir pela janela, e tudo o que levaram foi um par de telemóveis e “móveis na cabeça”.

Apesar de ter havido MUITA sorte envolvida no desfecho desta situação que poderia ter corrido muito mal, há várias coisas que Maria Jorge, a mulher que estava com as crianças à sua guarda fez de forma exímia de um ponto de vista da negociação.

Vídeo:

https://tviplayer.iol.pt/programa/dois-as-10/5fe219a40cf2cc9de7ef9590/video/62e2713e0cf26256cd2f3560

Notícias

https://www.jn.pt/justica/familia-sequestrada-e-aterrorizada-em-assalto-a-casa-em-cascais-15053565.html

O que Maria Jorge, a mulher que poderia ter sido assaltada fez de forma exímia:

  1. Manteve a calma e o controlo: Maria Jorge perante uma ameaça, manteve a calma e securizou os meleantes, dizendo que eles vão obter tudo o que querem e que portanto não é preciso recorrer a violência. Demonstrou colaboração total, mas manteve a calma, o que ajudou a que nenhum dos criminosos perdesse controlo, mesmo numa situação em que o que sentiu foi terror.
  2. Manteve o diálogo: Maria manteve o diálogo com os assaltantes o que de acordo com Chris Voss é fundamental para procurar uma solução em que ambas as partes possam sair a ganhar, ou neste caso, que ninguém se magoe.
  3. Não assumiu uma postura de vítima: o facto de a pessoa que foi assaltada ter cooperado sem nunca dar parte fraca numa postura que ela descreve como “pouco tímida” e mesmo “arrogante”, serviu um propósito muito importante, de fazer com que os assaltantes se sentissem menos inclinados a agredir.
    A postura corporal de domínio, mesmo que subtil tende a ter um efeito dissuasor de possíveis agressões; por outro lado a assunção de uma postura submissa tende a aumentar a probabilidade de a contraparte achar que pode agredir e subjugar a pessoa com sucesso (e portanto tentar essa estratégia).
  4. Respondeu com perguntas/ reagiu a ameaças e exigências com questões: quando pediram coisas de valor, em vez de responder diretamente, Maria pede clarificações: “o que é uma coisa de valor? O que é que vocês querem exatamente?” um pedido de clarificação razoável que ao mesmo tempo abranda o agressor e faz ganhar tempo. Perante pedidos impossíveis ou inviáveis, Maria devolve o problema a quem o colocou: “Dinheiro? Ninguém anda com dinheiro hoje em dia.” “Quantas pessoas estão nesta casa? Então vocês assaltam sem saber quem está em casa? Pode ser um polícia ou um militar e vocês não sabem?”

O resto das coisas que sucederam envolveram um risco muito acrescido e foram felizmente uma aposta ganha que dependeu muito da sorte; no entanto, fica claro como é importante o domínio de técnicas de negciação não só quando estamos a tentar obter uma promoção ou um aumento, mas também em momentos do quotidiano e em situações de crise.

Nesta área, e particularmente adaptável a este caso, recomendo o livro do Chris Voss chamado “Never split the difference”, onde várias técnicas e estratégias negociais são apresentadas com muitos exemplos práticos à mistura, especialmente dos tempos de Chris Voss como negociador de reféns do FBI.

Publicado por helenagmartins

People are my favorite "thing". I'm a creative and dynamic teacher and researcher in the area of People at Work. I love the arts and I practice plenty of them.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: